Editorial

Armando Terribili Filho, José Rubens Salles Toledo

Resumo


Nosso compromisso é divulgar conhecimentos da área de Administração e afins, seja pelo resultado de pesquisas desenvolvidas, de artigos elaborados a partir de revisões bibliográficas, de estudos de caso ou por meio de resenha de livros. Embora estejamos em meados de 2013, estamos lançando a edição do 1o. semestre de 2012, em função de breve interrupção da revista nos anos de 2010/2011. Todavia, com empenho, determinação e colaboração de autores, pareceristas, professores e corpo diretivo da Faculdade de Administração e da Fundação Armando Alvares Penteado, estamos dando prosseguimento às suas edições visto a importância da revista para a comunidade. Com esse firme propósito, solicitamos a todos os nossos leitores (docentes, discentes, pesquisadores e público em geral), que encaminhem seus artigos (inéditos) para nossa avaliação, a fim de que possamos atingir nossos objetivos e manter o compromisso com a comunidade científica, com elevado padrão de qualidade.

A partir dessa edição, a Revista Estratégica é apresentada com novo visual, valorizando o campus da FAAP, e também, algumas particularidades na diagramação dos artigos. A cada nova edição, a capa da revista mudará de cor, porém sempre com uma cor dominante. Mais uma novidade: como a revista é colecionável, o arquivamento das edições em ordem cronológica possibilitará que as lombadas formem uma figura relativa à identidade da instituição. Ademais, estamos liberando a versão eletrônica a partir dessa edição, através do SEER – Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas, quando então, autores poderão submeter eletronicamente suas produções para avaliação de artigos e pesquisadores poderão elaborar consultas pela Internet. 

Contamos também com mais quatro integrantes no Conselho Editorial da Revista Estratégica: Prof. Dr. Edson Roberto Scharf da Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), do Prof. MSc. Ezequiel Redin da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), do Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) e do Prof. José Rubens Salles Toledo da FAAP, que além do pertencer ao Conselho Editorial, atua também como Editor Adjunto da Revista Estratégica. Aos novos integrantes, agradecemos pela colaboração e contribuição. 

Abrimos essa edição com o artigo “Automação de portos como estratégia para a ampliação do volume de comércio internacional do Brasil” de autoria de Guilherme Francis Fagundes Sortino, que apresenta a modernização dos portos dos países desenvolvidos, contemplando a informatização e automação por meio de máquinas complexas de comando numérico que aceleraram a recepção, o processamento, o desembaraço e a liberação de mercadorias. O autor debate a importância da modernização dos portos no país, como a dragagem e integração de modais, que propiciará maior competitividade às empresas brasileiras. 

O segundo artigo, intitulado “A percepção dos consumidores da Geração Y na aquisição de produtos tecnológicos no ponto de venda”, de autoria de Daniela A. Coelho e Alexandre Las Casas, apresenta a Geração Y (nascidos entre 1977 e 1994) como participante ativa da economia. O debate é que esses jovens são fortes influenciadores de comportamentos e estilo, com uma nova forma de se socializar, relacionar, comprar e escolher seus produtos se comparado com as gerações anteriores. O artigo propõe alguns cenários no ponto de venda que possam motivar esse grupo de consumidores, apresentando os resultados uma pesquisa que identifica quais são os atributos-chave no ponto de venda e como estes podem ser articulados para atingir uma experiência mais próxima deste novo consumidor, por exemplo, por meio da mudança de planograma permitindo maior interação, conectividade e disponibilidade de conteúdo. 

Vanessa Martines Cepellos e Viviane Renata Franco de Oliveira discutem a concepção de uma perspectiva humanista das Organizações, tendo como pano de fundo a urgência da Terceira Idade como público-alvo de ações sociais empresariais. O objetivo é demonstrar a relevância da Organização humanizada como um meio mitigador da situação de fragilidade e estereótipo pela qual a população idosa brasileira está sujeita. O estudo também promoveu o levantamento de programas de inclusão do público idoso em Organizações privadas, como o Bob’s, Pizza Hut e Grupo Pão de Açúcar. Tudo isso, está contido no artigo “A Organização sob a perspectiva humanista: a causa da Terceira Idade”. 

O quarto artigo é de autoria de Francisco José Lampkowski, Marco Antonio Martin Biaggioni e Marcelo Lampkowski, que tem por título “A responsabilidade social no processo de adoção de inovação em empresas sucroenergéticas do centro-oeste do Estado de São Paulo”. O objetivo do estudo foi verificar a influência da gestão em responsabilidade social na decisão de adoção, escolha, justificativa e implementação de inovação praticadas nas empresas sucroenergéticas do centro-oeste do Estado de São Paulo. Utilizando-se de análise multivariada de componentes principais e de agrupamentos, as variáveis foram analisadas e as empresas classificadas. Concluiu-se que as melhores empresas com posturas inovadoras são aquelas que em suas estruturas de organização, incorporaram as práticas da gestão em responsabilidade social. 

Ócio Criativo: reflexão sobre um novo modelo de gestão” de autoria de Roberto de Oliveira Loureiro é nosso quinto artigo, que propicia uma reflexão sobre as relações de trabalho, à luz do modelo de gestão que Domenico De Masi conceitua como Ócio Criativo. Trata-se da devida combinação e intersecção entre três variáveis: trabalho, estudo e lazer. O estudo também avalia criticamente as definições e o entendimento dos termos trabalho e emprego, conceitos ainda comumente confundidos no atual contexto organizacional. Mais do que se ater a considerações semânticas, é realizada uma análise distintiva entre os termos citados, da mesma forma que estabelece um divisor entre ócio e ociosidade. 

Finalmente, o artigo “Implementação da área de Corporate Portfolio Management (CPM) na Arcos Dourados: um caso de sucesso”, de Glaucia Di Giácomo Galo e Armando Terribili Filho, apresenta o processo de implantação (antes, durante e depois) da área de Gestão de Portfólio na Arcos Dourados (McDonald’s Brasil) evidenciando os benefícios propiciados, como: alinhamento dos projetos à estratégia da empresa, regras claras para a priorização dos projetos, maior visibilidade sobre a situação dos projetos na empresa, padronização dos processos e melhoria na qualidade de gestão dos projetos, maior acompanhamento dos resultados esperados e melhor retorno sobre os investimentos realizados. Confira! 

Boa leitura! 

     Prof. Dr. Armando Terribili Filho (Editor)

     Prof. José Rubens Salles Toledo (Editor Adjunto)


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.